“Adieu ! ” d’Alfred de Musset foi o poema escolhido para hoje. Je te demande: Es-tu prêts?

 

Poemas, em nosso dia a dia severo e pesado, são a forma mais simples e leve de fugir da realidade. Escrevemos porque nos importamos o suficiente para criarmos versos, rimas, prosas e musicalidade. Choramos, damos risada e sentimos sensações indescritíveis ao lermos algo que realmente nos toca o coração. Se você, assim como eu, gosta de ler poemas numa tarde chuvosa enquanto toma um café quentinho, saiba que esse projeto foi feito especialmente para você.

 

Essa nova série de poemas é nada mais, nada menos do que um poema francês lido por mim, Elisa, e explicado cada verso, 100% em francês, mas de forma simples. Os poemas poderão ser longos ou curtos, felizes ou tristes, conhecidos ou desconhecidos, contudo, independente de como sejam, todos serão franceses e/ou francófonos.

 

E você que me acompanha pelo Podcast (Fale francês avec Elisa) ou pelo blog, poderá acompanhar esse projeto que carinhosamente criei para que a cultura francesa e francófona seja ainda mais divulgada. Assim como a leitura do Le Petit Prince e Oscar et la Dame Rose será disponibilizada pelo podcast e a leitura pelo blog, o mesmo acontecerá com os poemas que selecionarei para ler.

 

Es-tu prêts?

 

A minha intenção é que você, além de treinar sua audição e leitura de maneira prazerosa, possa conhecer mais sobre a literatura francesa e francófona, afinal, com mais de 50 países falando a língua francesa como primeira língua, é inimaginável que alguém possa conhecer todo o vasto conteúdo que o francês tem para nos proporcionar.

 

Assim dito, hoje, o primeiro poema desse querido projeto será o “Adieu ! ” d’Alfred de Musset.

 

Alfred de Musset

 

Alfred Louis Charles de Musset, mais conhecido como Alfred de Musset, nasceu na cidade da luz (Paris) em 1810. Musset, além de poeta, também foi novelista e dramaturgo francês do século XIX. O poeta teve grandes influências do filósofo Jean-Jacques Rousseau desde novo pois o seu pai era editor das obras do filósofo.

 

Matriculado no Lycée Henri-IV já aos nove anos, o jovem poeta ganhou o prêmio de escrita em latim do Concours Generál com o ensaio “A origem de nossos sentimentos” em 1827. Precisamos ter em mente que naquela época praticamente todos os escritores e poetas tinham um excelente conhecimento do latim e usavam bastante da língua clássica em seus poemas e narrativas.

 

A vida de Musset não foi nada calma e pacífica: entre escandalosos amorosos, problemas com bebidas e fracassos de peças teatrais, o poeta morreu em 1857, quase esquecido. Quase. Pois atualmente todos conhecem ou já ouviram falar de Alfred de Musset.

 

A influência de Alfred de Musset

 

Muitos o consideram como “o mais clássico dos românticos e o mais romântico dos clássicos”. O seu estilo e estética – influenciados por Victor Hugo – influenciaram a literatura europeia. A influência foi tão grande que podemos nomear dois poetas que beberam da fonte do Musset: Fausto Guedes Teixeira, poeta português; e Álvares de Azevedo, poeta brasileiro. É valido lembrar que nessa época (século XIX) o movimento artístico, politico, literário e filosófico conhecido como Romantismo teve o seu ápice e muitos poetas e escritores franceses influenciaram diversos poetas e escritores de outros países.

 

Antes de ler o poema que disponibilizarei, peço que escute o áudio que colocarei aqui. Escutem uma, duas, três vezes ser for possível antes de partirem para a leitura. Tentem compreender o que é dito e, após partirem para a leitura, tentem compreender o significado por trás das palavras de Alfred de Musset.

Adieu !


Adieu ! je crois qu’en cette vie
Je ne te reverrai jamais.
Dieu passe, il t’appelle et m’oublie ;
En te perdant je sens que je t’aimais.

 

Pas de pleurs, pas de plainte vaine.
Je sais respecter l’avenir.
Vienne la voile qui t’emmène,
En souriant je la verrai partir.

 

Tu t’en vas pleine d’espérance,
Avec orgueil tu reviendras ;
Mais ceux qui vont souffrir de ton absence,
Tu ne les reconnaîtras pas.

 

Adieu ! tu vas faire un beau rêve
Et t’enivrer d’un plaisir dangereux ;
Sur ton chemin l’étoile qui se lève
Longtemps encor éblouira tes yeux.

 

Un jour tu sentiras peut-être
Le prix d’un coeur qui nous comprend,
Le bien qu’on trouve à le connaître,
Et ce qu’on souffre en le perdant.

Agora, me digam: o que acharam desse projeto? Gostaram do poema de Alfred de Musset? Existe algum poema em francês que você ama? Me conte aqui nos comentários! E não se esqueçam de seguir o Podcast do Avec Elisa: “Fale francês avec Elisa” no Spotify, Deezer, Anchor e entre outras plataformas! e a minha conta no Instagram!

 

À la prochaine,

Elisa.

Porte D’entrée

Passo1:

Não enviaremos SPAM. Ao clicar em CONTINUAR, você aceita os termos de uso.